Puxadas pela América Latina, exportações de componentes para calçados cresceram 12,4%

Puxadas pela América Latina, exportações de componentes para calçados cresceram 12,4%

25/11/2021

As dificuldades de abastecimento e encarecimento do frete, especialmente para importações da Ásia, têm feito com que grandes players da América Latina busquem componentes para a produção de seus calçados no Brasil. Dados elaborados pela Assintecal apontam que, de janeiro e outubro deste ano, as exportações do setor geraram US$ 230,14 milhões, incrementos de 12,4% em relação ao mesmo período do ano passado e de 0,7% em relação a igual intervalo de 2019. 

O gestor de Mercado Internacional da Assintecal, Luiz Ribas Júnior, destaca que as exportações para países da América Latina vêm impulsionando os dados gerais. "Dos dez principais destinos, sete são da América Latina. A alta das importações desses países também é maior, na faixa de 44% em relação ao mesmo período do ano passado", avalia, ressaltando que existe um problema generalizado de falta de matéria-prima na América Latina e uma disparada dos preços dos contêineres para importação da Ásia. 

Os principais destinos dos componentes brasileiros para a fabricação de calçados - cabedais, laminados sintéticos, matrizes, solados, palmilhas, produtos químicos etc - são China (US$ 70,9 milhões, incremento de 9,8% em relação a 2020), Argentina (US$ 36,3 milhões, incremento de 40%), México (US$ 9,57 milhões, incremento de 31,6%) e Paraguai (US$ 9,55 milhões, incremento de 43%). 

Comunicação da Assintecal