Economista da FIERGS analisou a economia brasileira em tempos de pandemia

Economista da FIERGS analisou a economia brasileira em tempos de pandemia

01/06/2021

Nesta segunda-feira (31), o economista-chefe do Sistema FIERGS, André Nunes de Nunes, falou sobre o cenário econômico, em uma live promovida pela Abrameq.

Analisou o quadro mundial, destacando que o fato novo é a recuperação dos Estados Unidos, que estava crescendo abaixo na média mundial e agora mostram um nível bem melhor, o que é importante para a recuperação global.

A respeito da economia brasileira, André observou que o Brasil sofre por não ter completado o ciclo de reformas necessárias para que o país tenha um nível sustentado de crescimento. Ressaltou que a falta destas reformas tem como pior consequência a dívida pública, que hoje representa mais de 90% do PIB do país.

Na recuperação da economia brasileira, o economista destacou a valorização das commodities, gerando um forte superávit na balança comercial, que também foi beneficiada pelo câmbio, com o real desvalorizado, que não se recuperou como a moeda de outros países, em razão de turbulências internas.

Porém, a valorização dos produtos primários também gerou inflação, que só não é maior pela baixa atividade do setor de serviços. E a retomada deste setor poderá ocasionar inflação mais forte, que deverá ser enfrentada por aumento dos juros.

A elevação de preços de matérias-primas também está afetando os custos da indústria, que passou a ter redução de estoques, que já está voltando ao normal, mas com preços elevados, ameaçando a competitividade de alguns setores.

Contudo, André destacou que "estamos em um momento muito diferente de tudo que conhecemos, o que torna impossível fazer previsões seguras". Neste sentido afirmou que tudo pode acontecer e estimar o valor do dólar no final do ano é algo muito arriscado. Mesmo assim, ele afirmou que não seria uma surpresa ver a taxa de câmbio abaixo de R$ 5,00 em dezembro.