Brasil caminha para dias melhores

Brasil caminha para dias melhores

27/03/2020

O Brasil viveu uma das mais fortes recessões de sua história e nós que produzimos sentimos muito os efeitos deste ambiente econômico. Mas sobrevivemos e nos preparamos para dias melhores. E felizmente podemos observar uma série de medidas que nos dão a expectativa de que a economia brasileira terá um crescimento condizente com o potencial de nosso país. 
Lamentavelmente, veio o coronavírus, que está determinando conseqüências  para a economia mundial, com prejuízos ainda incalculáveis e não se pode avaliar por quanto tempo. 
Mas um dia isto passará e temos boas razões para acreditar que o Brasil estará preparado para recuperar-se. Medidas necessárias, sempre adiadas, foram tomadas, como a Reforma Trabalhista e a Reforma da Previdência. A legislação na área de Segurança e Saúde no Trabalho tem sido atualizada e aperfeiçoada, retirando mecanismos que atrapalhavam as empresas sem benefícios para os trabalhadores. Ao mesmo tempo, a MP da Liberdade Econômica contempla mecanismos que destravam o desenvolvimento das empresas, gerando competitividade, o que traz benefícios para toda a sociedade.
A taxa de juros Selic alcançou o menor índice da história, estimulando investimentos na produção, ao invés de beneficiar especuladores. Com juros menores, o crédito se expandiu: de janeiro a novembro do ano passado, segundo números do BC, a concessão de crédito livre cresceu 15% para pessoas físicas e 12% para pessoas jurídicas. E com mais crédito e liberação do FGTS, o varejo avançou de janeiro a outubro – último mês apurado pelo IBGE – 1,6% em relação ao mesmo período de 2018, além de ter havido seis meses seguidos de crescimento. 
Este conjunto de ações resultou na redução do risco-país, que mede a desconfiança de investidores, e chegou em dezembro ao patamar mais baixo desde 2010, quando o Brasil ainda tinha grau de investimento, ou seja, carimbo de bom pagador.
Se combinarmos todas estas medidas positivas e agregarmos mais reformas como a Administrativa e principalmente a Tributária, com certeza teremos um novo Brasil, muito mais competitivo, gerando mais empregos e bem-estar para os brasileiros.
Então, mesmo muito preocupados com o coronavírus, podemos nos preparar para dias melhores para quem produz neste país.

Eng. Júlio Bresolin / Vice - Presidente da Abrameq